Reflexões

"Instruí-vos, porque precisamos da vossa inteligência. Agitai-vos, porque precisamos do vosso entusiasmo.

Organizai-vos, porque carecemos de toda a vossa força".
(Palavra de ordem da revista L'Ordine Nuovo, que teve Gramsci entre seus fundadores)

______________________________________________________________

janeiro 03, 2009

Carta da IV Internacional: Alto ao massacre do povo palestino: Declaração do Secretariado Internacional da IV Internacional

Sessenta anos depois da partilha da Palestina imposta pela ONU com o apoio do imperialismo e da burocracia do Kremlin, a mesma que criou em 1947-1948 o Estado de Israel, hoje um milhão e meio de palestinos cercados em Gaza sofre um novo e terrível massacre.

Há três dias bombardeiros, helicópteros e mísseis do exército israelense golpeiam incessantemente a faixa de Gaza. Há centenas de mortos e feridos. Na terça feira, 30 de dezembro pela manhã contavam-se 360 mortos e 1.700 feridos, mais de trezentos deles em estado muito grave. Muitas crianças, mulheres e anciãos são atingidos em suas casas, alvos de ataques aéreos.

“O bombardeio de Gaza não é contra o Hamas, mas contra todos os palestinos”, declarou a jornalista israelense Amira Hass no diário Haaretz de 29 de dezembro.

A primeira onda de bombardeios ocorreu num momento em que as crianças saíam das escolas para voltar para suas casas. Quando os aviões soltaram as bombas, milhares de crianças estavam nas ruas.

Desde o início da ofensiva o Estado de Israel proibiu o acesso de jornalistas, e os raros correspondentes de imprensa presentes em Gaza pintam cenas de horror: “Cadáveres estendidos no solo, com as carteiras de identidade à vista para que as famílias possam reconhecê-los. Tal era o espetáculo ontem ao meio-dia no hospital Shifa de Gaza, imerso na mais extrema confusão”, informa o correspondente do diário francês Journal du Dimanche de 28 de dezembro. “Entre corpos destroçados, feridos estendidos em macas improvisadas, parentes que foram em massa identificar um familiar falecido ou desaparecido, os médicos fazem o possível com os meios que dispõem.” Meios atrozmente escassos por causa do bloqueio imposto há meses pelo Estado Hebreu. A penúria de medicamentos, de sangue, anestesia e instrumentos cirúrgicos condena os feridos mais graves à morte. “Só podemos tentar salvar os que têm alguma possibilidade de viver”, confessa com amargura um dos médicos do hospital Shifa.

Desde o início da ofensiva, o exército israelense decretou “zona militar fechada” o setor que margeia a faixa de Gaza-leste. Todas as estradas estão fechadas para a circulação, exceto com autorização especial do exército às quais apenas os habitantes das localidades israelenses podem ter acesso. “É uma medida que costuma antecipar o desencadeamento de operações terrestres”, informa a agência France Presse. As operações terrestres causariam ainda mais mortos e atrocidades.

Assim, depois de 60 anos – desde a partilha de 1947-1948 com a expulsão brutal e sangrenta dos palestinos de suas terras, sua vilas, seus lares; desde o massacre perpetrado pelo exército jordaniano no Setembro Negro de 1970 até o perpetrado pelo exército israelense em Sabra e Shatila, no Líbano, em setembro de 1982– de massacres em massacres, que sempre voltam a reproduzir-se, o povo palestino sofre as conseqüências terríveis de um consenso internacional entre todas as grandes potencias imperialistas – começando pelo imperialismo dos EUA – e a antiga burocracia stalinista do Kremlin, com o aval da ONU e a cumplicidade dos governos burgueses árabes; um consenso baseado na negação do direito de um povo a viver livre e soberano em sua terra.

E, uma vez mais, os mesmos que há 60 anos impuseram e instrumentaram esta política reacionária e desastrosa para o povo palestino e todos os povos da região, de acordo em acordo, de Camp David a Oslo, agora se dedicam a preparar sua continuidade:

Em Washington, “o presidente G.W. Bush fora informado de antemão”, diz o diário francês Le Figaro, e evitou “pedir ao aliado dos Estados Unidos que inte­rrompesse imediatamente os ataques”, conside­rando que “Israel tem direito a defender-se”. A população de Gaza é bombardeada por aviões F-16 com bombas dos EUA.

Quanto ao presidente eleito, Barack Obama, seu principal assessor David Axelrod acaba de reafirmar que “a relação particular entre os Estados Unidos e Israel continuará”, declarando que “no momento há um só presidente que fala em nome dos Estados Unidos, o presidente atual, George W. Bush”.

Na ONU, a sessão de emergência do Conselho de Segurança, que reúne todas as “grandes potencias”, Estados Unidos, Rússia, China, França, Inglaterra, Alemanha… e a maioria dos demais países da União Européia, deu lugar a “um texto não vinculante que cada qual pode dar sua interpretação” (France Soir, 29 de dezembro).

No Egito, no Líbano, na Jordânia, manifestações de massa gritam a cólera dos povos diante de um novo massacre infringido ao povo palestino e contra a cumplicidade de seus governos.

Até mesmo dentro das fronteiras do Estado de Israel, desafiando a proibição que representa a união nacional, cerca de mil jovens israelenses manifestaram-se contra a intervenção, enquanto os palestinos “do interior” organizavam greves e manifestações que sublinham a unidade do povo palestino.

Os fatos são claros: o editorialista do Le Figaro reconheceu que “há 60 anos no Oriente Médio falam os exércitos, e as palavras acabaram por perder o sentido. Ataque, réplica, escalada, irrupção, repetem-se as mesmas palavras deixando sempre para amanhã qualquer esperança de uma paz duradoura ”.

“A esperança de uma paz duradoura”, É sem dúvida a aspiração do povo palestino e de todos os povos do mundo, conscientes que a crise que sacode o sistema de exploração do homem pelo homem projeta graves ameaças para o futuro de toda a humanidade.

Parar os massacres já!

Por seu lado, a 4ª Internacional afirmou em todo o momento que para evitar a engrenagem de uma guerra sem fim que se estende a toda a região, para estabelecer enfim a paz baseada no respeito aos direitos dos povos, não há outro caminho senão deixar para trás a partilha pela força imposta à Palestina pela ONU e todos os governos em 1947-1948.

Não haverá paz enquanto o povo palestino estiver condenado ao exílio em campos disseminados em toda a região, à prisão em cárceres sem teto como em Gaza e na Cisjordânia ou a ser cidadãos de segunda categoria dentro das fronteiras do Estado de Israel.

O direito do povo palestino ao retorno a suas terras é um direito imprescritível. Um direito que nunca se acomodará e nem poderá ser cumprido com as fronteiras de um ou dois supostos “estados” em Gaza ou na Cisjordânia, rodeados por um muro de oito metros de altura, arame farpado e controles do exército israelense, recortados constantemente por novas colônias de ocupação. Um direito incompatível com a existência de um Estado teocrático baseado no terror e na pretensão de reconhecer somente aos judeus o direito de viver na Palestina. Um Estado que mantém no interior de suas fronteiras um milhão e meio de habitantes com indivíduos de segunda categoria, sem direitos, por serem árabes.

A posição da 4ª Internacional, formulada em 1947-1948, assume hoje uma atualidade mais candente que jamais: só há uma solução de acordo com a democracia e com o direito de todos os povos à liberdade, à independência e à soberania: o rechaço à partilha e “a luta por uma Palestina unida e independente, na qual as massas determinem soberanamente sua sorte me­diante a eleição de uma assembléia constituinte” (La Vérité, novembro-dezembro de 1947).

A 4ª Internacional lança um chamado a todos os trabalhadores, a todos os partidários da democracia e do direito dos povos à soberania, para que unam forças em todo o mundo e exigir.

Direito de todos os refugiados palestinos ao retorno!

Assembléia Constituinte soberana!

Um só Estado, uma só Palestina livre,

laica e democrática, que reúna com igualdade de direitos os componentes árabe e judeu!

Parar imediatamente os massacres em Gaza!

Parar os bombardeios!

Não à intervenção terrestre!

Fim imediato do bloqueio!

Abaixo a ocupação militar!

30 de dezembro de 2008

Nenhum comentário:

Ilha das flores