Reflexões

"Instruí-vos, porque precisamos da vossa inteligência. Agitai-vos, porque precisamos do vosso entusiasmo.

Organizai-vos, porque carecemos de toda a vossa força".
(Palavra de ordem da revista L'Ordine Nuovo, que teve Gramsci entre seus fundadores)

______________________________________________________________

setembro 06, 2012

Neste 7 de setembro, todos e todas ao Grito dos/as Excluídos/as!


Bancários indicam greve para 18/09

MTST trava Rodoanel e Regis Bittencourt e para região metropolitana de SP
 
Queremos um Estado a serviço da nação, que garanta direitos a toda população!
Durante o próximo 7 de setembro acontecerá em diversas cidades do país o 18º Grito dos/as Excluídos/as. A atividade, que acontece anualmente por todo o Brasil, terá como tema “Vida em primeiro lugar”.  No Dia da Independência, vamos chamar a atenção para a enorme exclusão social no país e refletir sobre o papel deste Estado, que continua dependente do livre arbítrio dos interesses capitalistas.

Estaremos juntos contra a ofensiva aos direitos sociais básicos, pelo trabalho digno, contra o machismo, contra o massacre dos jovens nas periferias e pela dignidade dos povos indígenas, quilombolas, trabalhadores rurais e demais povos das florestas. Diante das atrocidades patrocinadas pelo Estado, em nome do capital, é premente a necessidade de todas e todos em unidade neste grito, contra a violência e usurpação dos direitos do povo.

Os movimentos sociais e a esquerda devem somar esforços para realizar um grande grito, fazendo ecoar nossas reivindicações. É hora de ocupar as ruas, mostrar que temos voz e que exigimos um Estado que assegure um projeto de nação que abarque todas e todos concretamente. Se informe sobre a mobilização em sua cidade e junte-se a este grito, fruto da real luta popular e em defesa da população.

Para a Intersindical, este é um momento muito importante para reafirmar a luta pela mudança da política econômica, pela auditoria da dívida pública, pela aplicação dos 10% do PIB para a educação pública e a defesa dos investimentos vigorosos na saúde pública. A luta em defesa da aposentadoria digna, pelo fim do fator previdenciário, o direito à moradia e à terra, por meio da realização das reformas urbana e agrária, são bandeiras que levantaremos em mais este Grito dos Excluídos.

Abaixo, o manifesto da atividade deste ano:
A luta pela garantia, ampliação e universalização dos direitos sociais continua!

A saúde e a educação públicas estão deficientes a tal ponto que é impossível afirmar que são “direitos universais”. O desemprego cresce, indicando que as conseqüências da crise capitalista atual já chegaram por aqui. A precarização do trabalho aumenta, informalmente ou através de mais uma reforma sindical. A imensa carência habitacional e a força do agronegócio mostram que uma minoria come às custas da grande maioria que passa fome.

Nos últimos 10 meses, cerca de 30 operários da construção civil, morreram no local de trabalho, vítimas da ganância dos patrões e nenhum dos quais foi punido. Quantos mais foram vitimas de acidentes e doenças do trabalho crescem na mesma medida em que é acelerado o crescimento do lucro. As medidas de isenção fiscal possibilitam que a burguesia nem mesmo contribua para pagar parte do que causa com a exploração.

As áreas sociais sofrem cortes, os governos sucateiam os serviços básicos, aumentando a miséria, a exclusão e o desamparo. Nossa mobilização e resistência devem ser para impedir que as garantias e direitos constitucionais conquistados duramente por nós sejam retirados. Além de dizer que é preciso a tal de governabilidade, os poderosos usam também o argumento de que, para ter estabilidade econômica, é preciso tirar direitos sociais. As mulheres também são atingidas pela violência quando o Estado não lhes dá um sistema de saúde integral, não lhes dá creches, não investe em políticas públicas de atenção e prevenção à violência , necessitamos políticas e leis que promovam a igualdade salarial para trabalho de igual valor.
É a isso que dizemos : NÃO !
Defendemos o atendimento necessário, suficiente e universal nos direitos sociais básicos: Saúde, educação, moradia, transporte, lazer.
A realidade nos mostra que nenhum governo merece nossa confiança, os governos federal, estadual e municipal, estão unidos para defender os interesses do Capital, o sistema responsável por essa situação que aflige nosso povo.
Na cidade de São Paulo, talvez de forma mais visível que em outros municípios, o avanço das chamadas políticas de higienização: trabalhadores e o povo em situação de rua são sistematicamente agredidos e expulsos da região central com truculência, seja pela guarda municipal ou pela PM. Com a aproximação da Copa do Mundo,que se várias comunidades vão sendo expulsas, e vem mais por ai. A violência policial e o extermínio atingem nossa juventude principalmente nas periferias, sendo que os jovens negros são as principais vitimas.A criminalização da pobreza, dos movimentos sociais e sindical uma realidade, e os governos Dilma, Alckmin e Kassab estão juntos nessa.
QUEREMOS E PRECISAMOS DE OUTRA SOCIEDADE !
No capitalismo, como em toda sociedade em que uma classe explora a outra, o Estado está a serviço da classe que explora e é um instrumento para garantir e perpetuar a desigualdade.
Como perspectiva, precisamos romper com esse sistema e construir outro, que seja governado pelos próprios trabalhadores e trabalhadoras organizados. De imediato, precisamos garantir a vida e direitos básicos, acabar com este sistema que joga para suas margens quem já esgotou sua saúde física e mental trabalhando loucamente. Queremos políticas públicas que promovam a vida em todas as suas dimensões, assegurando os direitos sociais e diminuindo as desigualdades sociais. Vamos, juntos, batalhar de forma combinada por estas políticas para a maioriaagora e para construir de fato uma sociedade justa e solidária, uma sociedade sem explorados e exploradores, a sociedade socialista.
Vamos todos juntos realizar em São Paulo um grande grito contra a exclusão social. Converse no seu bairro, no seu trabalho, com seus amigos. Juntos somos fortes!
Em São Paulo:
Data: 07 de Setembro de 2012
Local: concentração na Praça da Sé
Horário: 9h30
Seguiremos  em passeata até o Ipiranga e terminaremos com um grande ato no Memorial do Ipiranga.
Neste 7 de setembro, todos e todas ao Grito!
Assista o vídeo com depoimentos sobre o Grito deste ano e convite para o ato:
INTERSINDICAL
 




Nenhum comentário:

Ilha das flores