Reflexões

"Instruí-vos, porque precisamos da vossa inteligência. Agitai-vos, porque precisamos do vosso entusiasmo.

Organizai-vos, porque carecemos de toda a vossa força".
(Palavra de ordem da revista L'Ordine Nuovo, que teve Gramsci entre seus fundadores)

______________________________________________________________

setembro 12, 2013

Professores comemoram dez anos de escolas itinerantes


Para comemorar os dez anos de conquista das escolas itinerantes e proporcionar aos professores um momento de aprofundamento teórico para discutir encaminhamentos, propostas pedagógicas e fundamentos teóricos que aperfeiçoem a prática escolar, a Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), a coordenação da Educação Escolar do Campo vinculada ao Departamento da Diversidade (DEDI) da Secretaria de Estado da Educação (SEED) e Setor de Educação do MST, estão promovendo nesta semana o “Encontro dos Professores da Escola Itinerante do Paraná”.
O evento, que está sendo realizado no Campus de Cascavel da Unioeste, teve início no dia 26 e segue até o dia 30, sexta-feira. Cerca de 300 pessoas estão participando diariamente do encontro, entre elas estão: 180 professores da Educação Básica das Escolas Itinerantes e Escola Base, 20 representantes das comunidades acampadas e 20 estudantes de Ensino Médio (lideranças dos estudantes) das escolas itinerantes, além de professores de ensino regular, docentes e discentes da Unioeste.
De acordo com Alessando Mariano, representante do Setor de Educação do Movimento Sem Terra (MST), o objetivo do encontro é proporcionar aos educadores das Escolas Itinerantes e Escola Base (Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio) subsídios teóricos metodológicos para o fortalecimento da proposta pedagógica do Ciclo de Formação Humana (CFH) com a construção dos Complexos de Estudos nas Escolas Itinerantes e Base, além de ser um encontro para comemorar os dez anos de Escolas Itinerantes, “Este é um momento precioso que mostra a história de superação do nosso povo” diz Alessandro.
Ritamar Andreetta, professora do ensino fundamental da Escola Base Iraci Salete Stroza, localizada no município de Rio Bonito do Iguaçu, explica que a função da escola base num primeiro momento é organizar a documentação dos alunos matriculados na escola itinerante, por tanto a escola base tem responsabilidade legal sob a vida escolar do acampado. “A escola do acampamento é um lugar provisório a qualquer momento pode ser retirada e montada em outro no lugar é aí que a escola base protege o direito do acampado de estudar, por isso, a sua matrícula fica na escola base. E nesse vai e vem da família as crianças perdiam anos de estudos. Por isso, a escola base vem nesse sentido de estar assegurando o direito dela continuar estudando. A criança saí da cidade, mas essa escola caminha com ela e a escola base é o vinculo com o estado” destaca.
Ainda conforme Ritamar esse encontro confirma a conquista de um direito garantido, de educação para todos. Entretanto, a professora afirma que esta luta nunca deveria ter sido travada, já que é direito de todo cidadão independente do espaço que ocupa ter acesso à educação. “O povo sem terra teve que dizer ‘queremos que o nossos filhos estudem’, e então estão aí os dez anos de escola itinerante. Eu diria que essa escola vem garantir esse direito ao povo que a vida inteira foi excluído” afirma. Atualmente 300 professores atuam nas Escolas Itinerantes, sendo estas nove itinerantes que atendem o total de 1.300 alunos.
Em relação ao encontro a professora destaca que é o momento de repensar o que esta sendo feito na escola itinerante, quais as possibilidades de mudanças e os limites dos profissionais, “É possível fazer uma escola itinerante ainda melhor do que a gente já vem trabalhando e tentando” conclui.
Segundo o pedagogo, Marcio José Barbosa, do Colégio Estadual Maria Aparecida Rosignol Franciosi, esse encontro serve para aprimorar a formação dos profissionais que atuam nos assentamentos, e possibilita a interação entre aqueles que não atuam. “Esse é um momento em que nós podemos passar nossas experiências aqueles professores que não atuam nos assentamentos, trazendo a realidade dos alunos” declara.
http://cac-php.unioeste.br/cnu/node/1428

Nenhum comentário:

Ilha das flores