Reflexões

"Instruí-vos, porque precisamos da vossa inteligência. Agitai-vos, porque precisamos do vosso entusiasmo.

Organizai-vos, porque carecemos de toda a vossa força".
(Palavra de ordem da revista L'Ordine Nuovo, que teve Gramsci entre seus fundadores)

______________________________________________________________

janeiro 23, 2008

Roraima, a próximo guerra de ocupação estadunidense

Segue abaixo o relato de uma pessoa conhecida e séria, que passou recentemente em um concurso público federal e foi trabalhar em Roraima. Trata-se de um Brasil que a gente não conhece.
As duas semanas em Manaus foram interessantes para conhecer um Brasil um pouco diferente, mas chegando em Boa Vista (RR) não pude resistir a fazer um relato das coisas que tenho visto e escutado por aqui.
Conversei com algumas pessoas nesses três dias, desde engenheiros até pessoas com um mínimo de instrução.
Para começar o mais difícil de encontrar por aqui é roraimense, pra falar a verdade, acho que a proporção é de um roraimense para cada 10 pessoas é bem razoável, tem gaúcho, carioca, cearense, amazonense, piauiense, maranhense e por aí vai. Portanto falta uma identidade com a terra. Aqui não existem muitos meios de sobrevivência, ou a pessoa é funcionária pública, e aqui quase todo mundo é, pois em Boa Vista se concentram todos os órgãos federais e estaduais de Roraima, além da prefeitura é claro.. Se não for funcionário público a pessoa trabalha no comércio local ou recebe ajuda de Programas do governo. Não existe indústria de qualquer tipo. Pouco mais de 70% do Território roraimense é demarcado como reserva indígena, portanto restam apenas 30%, descontando-se os rios
e as terras improdutivas que são muitas, para se cultivar a terra ou para a localização das próprias cidades. (Na única rodovia que existe em direção ao Brasil (liga Boa Vista a Manaus, cerca de 800 km) existe um trecho de aproximadamente 200 km reserva indígena Waimiri Atroari) por onde você só passa entre 6:00 da manhã e 6:00 da tarde, nas outras 12 horas a rodovia é fechada pelos índios (com autorização da FUNAI e dos americanos) para que os mesmos não sejam
incomodados.
Detalhe: Você não passa se for brasileiro, o acesso é livre aos americanos, europeus e japoneses. Desses 70% de território indígena, diria que em 90% dele ninguém entra sem uma grande burocracia e autorização da FUNAI.
Detalhe: Americanos entram na hora que quiserem, se você não tem uma autorização da FUNAI mas tem dos americanos então você pode entrar. A maioria dos índios fala a língua nativa além do inglês ou francês, mas a maioria não sabe falar português. Dizem que é comum na entrada de algumas reservas encontrarem-se hasteadas bandeiras americanas ou inglesas. É comum se encontrar por aqui americano tipo nerds com cara de quem não quer nada, que veio caçar borboleta e
joaninha e catalogá-las, mas no final das contas pasme, se você quiser montar um empresa para exportar plantas e frutas típicas como cupuaçu, açaí camu-camu etc., medicinais, ou componentes naturais para fabricação de remédios, pode se preparar para pagar 'royalties' para empresas japonesas e americanas que já patentearam a maioria dos produtos típicos da Amazônia...
Por três vezes repeti a seguinte frase após ouvir tais relatos: É os americanos vão acabar tomando a Amazônia e em todas elas ouvi a mesma resposta em palavras diferentes. Vou reproduzir a resposta de uma senhora simples que vendia suco e água na rodovia próximo de Mucajaí:
'Irão não minha filha, tu não sabe, mas tudo aqui já é deles, eles comandam tudo, você não entra em lugar nenhum porque eles não deixam. Quando acabar essa guerra aí eles virão pra cá, e vão fazer o que fizeram no Iraque quando determinaram uma faixa para os curdos onde iraquiano não entra, aqui vai ser a mesma coisa'.
A dona é bem informada não? O pior é que segundo a ONU o conceito de nação é um conceito de soberania e as áreas demarcadas têm o nome de nação indígena. O que pode levar os americanos a alegarem que estarão libertando os povos indígenas. Fiquei sabendo que os americanos já estão construindo uma grande base militar na Colômbia, bem próximo da fronteira com o Brasil numa parceria com o governo colombiano com o pseudo objetivos de combater o narcotráfico. Por
falar em narcotráfico, aqui é rota de distribuição, pois essa mãe chamada Brasil mantém suas fronteiras abertas e aqui tem Estrada para as Guianas e Venezuela. Nenhuma bagagem de estrangeiro é fiscalizada, principalmente se for americano, europeu ou japonês, (isso pode causar um incidente diplomático)... Dizem que tem muito colombiano traficante virando venezuelano, pois na Venezuela é muito fácil comprar a cidadania venezuelana por cerca de 200 dólares.
Pergunto inocentemente às pessoas; porque os americanos querem tanto proteger os índios.. A resposta é absolutamente a mesma, porque as terras indígenas além das riquezas animais e vegetais, da abundância de água são extremamente ricas em ouro (encontram-se pepitas que chegam a ser pesadas em quilos), diamante, outras pedras preciosas, minério e nas reservas norte de Roraima e Amazonas, ricas em PETRÓLEO.
Parece que as pessoas contam essas coisas como que num grito de Socorro a alguém que é do sul, como se eu pudesse dizer isso ao presidente ou a alguma utoridade do sul que vá fazer alguma coisa. É pessoal, saio daqui com a quase certeza de que em breve o Brasil irá diminuir de tamanho. Um grande abraço a todos. Será que podemos fazer alguma coisa???
Acho que sim.
Repasse esse e-mail para que um maior número de brasileiros fique sabendo desses absurdos.
Mara Silvia Alexandre Costa Depto de Biologia Cel. Mol. Bioag.
Patog. FMRP - USP
Opinião pessoal:
Gostaria que você, especialmente que recebeu este e-mail, o repasse para o maior número possível de pessoas. Do meu ponto de vista seria interessante que o país inteiro ficasse sabendo desta situação através dos telejornais antes que isso venha a acontecer.
Afinal foi um momento de fraqueza dos Estados Unidos que os europeus lançaram o Euro, assim poderá se aproveitar esta situação de fraqueza norte-americana (perdas na guerra do Iraque) para revelar isto ao mundo a fim de antecipar a próxima guerra. Conto com sua participação, no envio deste e-mail..
Por Celso Luiz Borges de Oliveira
Doutorando em Água e Solo FEAGRI/UNICAMP
Tel: (19) 3233-1840 Celular: (19) 9136-6472 e-mail´s:
Celso@ufba.br; celso@agr.unicamp.br; celsoborges@gmail.com

16 comentários:

Celso disse...

Gostaria de esclarecer que a mensagem sobre o texto intitulado,
Roraima: Acho que devemos saber!!!, foi recebida por mim em 2004 e como já tinha ouvido comentário semelhante por
colegas meus, que participaram do Projeto Rondon em 1975, no interior
do Pará, repassei-a para algumas pessoas do meu circulo de amizade,
via e-mail.
Não emiti nenhuma opinião pessoal, bem como não conheço a pessoa que
subscreve como autora do relato, Mara Silvia Alexandre Costa - Depto
de Biologia Cel. Mol. Bioag. Patog. -FMRP – USP.
Em virtude de meu nome e endereço ficarem vinculado à mensagem, já
recebi mais de mil e-mail's e telefonemas de pessoas me pedindo
confirmação, relatando fatos semelhantes e tenho respondido sempre da
forma supracitada.
Algumas me sugeriram, para fins de esclarecimentos, a leitura sobre o
assunto nos seguintes sites:
http://www.pralmeida.org/04Temas/07Amazonia/00Amazonia.html

http://www.quatrocantos.com/LENDAS/145_roraima.htm


Apresento minhas desculpas, por possíveis transtornos ocorridos e pelo
tempo dispendido, àqueles que receberam o texto e têm me enviado
mensagens sobre o mesmo.
Disso tudo me fica a certeza de que muitas pessoas ainda não perderam
a capacidade de se indignar e ainda têm um forte sentimento de civismo
e brasilidade, apesar de todos os problemas morais e sociais
(corrupção, violência, etc) que presenciamos nos noticiários no
dia-a-dia.
Atenciosamente,
Celso Oliveira

Anônimo disse...

Fico indiginado como existem pessoas que se prestam em escrever algo sem nenhum fundamento verídico e assim mandar e-mails alertando ou 'informando' as pessoas. Onde estão a veracidade dessas afirmações...

Receber simplesmente algo por e-mail e publicar no site isso é falta de ter o que colocar mesmo...

Rafael disse...

Caro Professor Vanderlei,

Basta uma simples busca no Google pelo nome da suposta autora da mensagem para perceber que tudo não passa de uma invenção! Pelo endereço do site pode-se perceber que a mensagem está hospedada no próprio servidor da Universidade de SP, local de trabalho da pobre coitada.

http://www.fmrp.usp.br/rbp/mara.html

Como o professor já deveria saber, a internet é cheia de textos 'non-sense', por isso, antes de divulgar algo tão absurdo o senhor deveria pelo menos fazer uma pesquisa.

Se em alguns dias o senhor receber uma mensagem dizendo que estão roubando rins de pessoas em festas e largando as vítimas em banheiras de gelo, ou alguma outra mensagem dizendo que pessoas portadoras de HIV estão colocando agulhas infectadas em poltronas de cinemas, por favor, não as publique em seu blog!

Carlos Ribeiro disse...

Bom dia Professor.
Desejo lembrar a Reflexão que se lê no topo de sua página:
"A juventude envelhece, a imaturidade é superada, a ignorância pode ser educada e a embriaguez passa, mas a estupidez dura para sempre." (Aristófanes, séc. IV a.C .)
Carlos

Anônimo disse...

Já nem me importo com o teor do e-mail reencaminhado que fala sobre estradas em territórios indígenas, estrangeiros circulando à vontade, antigas e repetidas denúncias sobre patentes internacionais da nossa fauna e flora etc.... O assunto é correto e conhecido, e já publicado em várias reportagens, em jornais, revistas e televisões.
O que soa bastante estranho, é esse endereço falso e o rápido desmentido do teor da mensagem.
Reparem que o teor da mensagem, fora alguns exageros, é correto, mas a denúncia de "fraude de remetente" torna-se automaticamente uma forma indireta de desqualificação da mensagem como um todo informativo... é o que se chama de "tática de contra-informação".
Está claro que o denunciante da fraude é o autor da mensagem original. Reparem na confusão que se instalou imediatamente, e na dispersão e desperdício de raciocínios com essa nova enxurrada de sites com "novas informações".
Não mais se discute a soberania nacional ameaçada, mas se um certo e-mail reencaminhado é verdadeiro ou falso...

Dalva disse...

Também recebi a mensagem, que é aqui alvo de acalorada discussão. Como faço costumeiramente ante informações similares, vali-me do Google para melhor informar-me. Entre uma e outra página, cheguei até esta, passando a ler seu conteúdo.
Permiti-me avaliar cada comentário aqui postado, não como autoridade, que não o sou, mas como filha dessa Mãe Gentil, eternamente adormecida em berço esplêndido em seu sono profundo, que mais parece letargia, ou coma induzido, visto que nenhuma catástrofe a pode despertar. E vejam que muitas, de toda ordem e magnitude se dão em seu solo todos os dias.
Mas, voltemos à mensagem de autoria de Mara Silvia Alexandre Costa e suponhamos que não passe mesmo de uma fraude. Sim, uma fraude. Mas e daí? Que importa que seja mentiroso o seu depoimento, que nem seja esse o seu nome, que seja ele e não ela o autor desse depoimento, que ele ou ela nunca tenha sequer visitado Manaus, Boa Vista ou qualquer outro lugar desse país diferente do lugar de seu nascimento. Realmente, no momento atual, em que grassa de norte a sul desse país a impunidade, a violência, a corrupção e outras coisas mais de mesma ordem, não é o mais importante, ainda que eu seja inteiramente avessa a mentira e acredite que, independentemente das outras pessoas ou de quaisquer circunstâncias, a verdade deve ser dita sempre, apesar de tudo.
Não creio que devamos postar comentários ofensivos como alguns que pude ler ao longo desta página, muito menos nos indignar com uma mensagem, que sem checar sua veracidade, encaminhamos para nossos contatos ou recebemos de alguém, que possivelmente o fez na melhor das intenções. Devemos sim, indignar-nos com a conduta e os desmandos dos homens que ocupam o poder nesta nação e que lá estão por nossa culpa e irresponsabilidade, porque não somos respeitáveis o suficiente, para dizer-lhes não. Somos um povo medíocre, covarde, ignorante e acomodado, que nos julgamos no direito de discutir se uma simples mensagem é verdadeira ou não, mas não temos a coragem de levar para trás das grades os homens que nos roubam, enganam, financiam vandalismos, festas, mulheres e viagens milionárias, tripudiando sobre nosso mutismo e pacifismo, diuturnamente, bem debaixo do nosso nariz.
Quem somos para julgarmos Mara Silvia Alexandre Costa, que direito temos de nos revoltarmos contra seu texto, se nos permitimos ser enganados todos os dias pelos politiqueiros e sua politicagem porca? Quem sabe não foi essa a maneira que ela encontrou para dizer um basta e buscar socorro para nosso país, tentando acordar esse povo que, sofre na pele, no bolso e na alma a ação dos bandidos poderosos comandantes do Brasil, contudo continua sonolento e indiferente?
Leonardo Da Vinci criava fábulas e contos para dar lições de moral. Eram fictícias suas narrações, mas levavam as pessoas a repensarem sua conduta.
Ademais, o texto traduz verdades, sim. Todos sabemos dos arranjos articulados aqui e acolá em favorecimento de nações estrangeiras. Todos sabemos da ameaça à soberania do nosso Brasil. Todos temos consciência dos caminhos perigosos para os quais o Brasil está sendo levado pelos que elegemos como nossos representantes e que pretendem continuar como tais, pois, que fazem da política sua profissão, quando da mesma deveriam fazer seu ideal.
Gritemos, lutemos contra as mentiras, os engodos, o desrespeito. Sim! Mas saibamos contra quem lutar. Creio que todos sabemos como e onde lutar. As armas para tanto, estão em nossas cabeças e mentes. Falta pouco para irmos às URNAS.


Dalva

Anônimo disse...

Investigando os sites sugeridos pelo SR. que se diz Celso, verifiquei que tais domínios tem alguma relação com o conteúdo do assunto.
O primeiro, está registrado em nome da embaixada Americana
http://www.pralmeida.org
Registrant:
Brazilian Embassy

3006 Massachusetts Avenue
NW
Washington, District of Columbia 20008
United States

Registered through: GoDaddy.com, Inc. (http://www.godaddy.com)
Domain Name: PRALMEIDA.ORG
Created on: 02-Nov-00
Expires on: 02-Nov-12
Last Updated on: 23-Apr-10

Administrative Contact:
Almeida, Paulo pralmeida@mac.com
Brazilian Embassy
3006 Massachusetts Avenue
NW
Washington, District of Columbia 20008
United States
(202) 238-2740 Fax -- (202) 238-2827

Technical Contact:
Almeida, Paulo pralmeida@mac.com
Brazilian Embassy
3006 Massachusetts Avenue
NW
Washington, District of Columbia 20008
United States
(202) 238-2740 Fax -- (202) 238-2827


e o outro http://www.quatrocantos.com
curiosamente abora assunto de pedras preciosas. Está em nome de
Registrant:
Quatrocantos.com

Rua das Acacias, 201
Bosque das Mangueiras
Campo Formoso, Bahia 44790-000
Brazil

Registered through: GoDaddy.com, Inc. (http://www.godaddy.com)
Domain Name: QUATROCANTOS.COM
Created on: 02-Sep-99
Expires on: 02-Sep-11
Last Updated on: 21-Aug-09

Administrative Contact:
Moura, Gevilacio gacmoura@br.inter.net
Quatrocantos.com
Rua da Hora, 625 - 805
Brazil
Recife - PE, Pernambuco 52020-010
Brazil
0812315263

Technical Contact:
Br.Inter.net, Br.Inter.net supporte@br.inter.net
Interdot.net
Av. Conselheiro Aguiar 2333
Terceiro andar
Recife, Pernambuco 51020-020
Brazil
8134635454

Quanto ao conteúdo do email, verdade ou não, parece tender mais para verdadeiro, já que pode estar havendo um tentativa de desmerecer se existe ou não tais fatos.

O Sr. Celso é realmente o Sr. Celso deste comentário é o mesmo que opinou no e-mail?

Marilda Oliveira disse...

Professor Vanderley,No transcorrer do ano de 1990, durante o governo de Collor,foi adotada uma política de neoliberalismo, quando a Amazônia deixou de ter a prioridade que era mantida nos governos militares, desde a década de 1970. Essa falta de atenção persiste até os dias de hoje, como pode ser comprovada pela falta da presença do governo federal e a adoção de políticas desatentas em relação à região, nos governos federais das últimas décadas.
— Ainda, em 1990, o presidente americano, George Bush, “o pai”, por carta endereçada ao presidente do Brasil, exigiu a demarcação da área dos índios Ianomâmis, assim como, fosse tapado o poço destinado a futuras experiências nucleares na Serra do Cachimbo. Esse buraco que era destinado ao começo das experiências nucleares subterrâneas, em cumprimento ao Projeto Nuclear Brasileiro; já existia desde o início do governo de José Sarney, ou melhor, desde os governos militares. Consta que este presidente, Sarney, foi quem mandou tapá-lo e que Collor de Mello apenas fez a publicidade como o tapa-buraco, com foto e tudo, nos veículos de comunicação. Como resultado dessas intromissões americanas, em 1991, baseado na Portaria 580 de 15 de novembro do mesmo ano, do então Ministro da Justiça Jarbas Passarinho, a despeito das opiniões do Conselho de Segurança Nacional, dos Ministros Militares e dos Governos da Região Amazônica, Collor criou a área destinada aos indígenas Ianomâmis.
Criaram uma Reserva de Não Indígenas para Expropria-la?
— Para o médico, pesquisador e escritor, Rui Nogueira, há uma farsa sustentada, como ele próprio denomina, de "rótulo Ianomâmi". O Dr. Rui faz questão de frisar que "existem em Roraima pequenos grupos remanescentes de índios de várias tribos com línguas, costumes, aspectos físicos diferentes que, por motivos inconfessáveis, estão relacionados sob o mesmo rótulo de "Ianomâmi". Ampara a sua afirmativa no livro "A Farsa Ianomâmi" de autoria do Coronel Menna Barreto, resultado de muitos anos de experiência do militar na Amazônia e em Roraima. Menciona ainda que, no livro "Índios do Brasil" de autoria do Marechal Cândido Mariano da Silva Rondon não há qualquer menção aos índios Ianomâmis. Rui Nogueira esclarece que durante a realização da Eco-92, na II Conferência Mundial para o Meio Ambiente e Desenvolvimento das Nações Unidas, em 1992 no Rio de Janeiro, o Presidente Collor sucumbiu aos interesses internacionais, inclusive às pressões de senadores americanos, a despeito da Carta Magna do BRASIL de 1988, das leis das fronteiras e demais orientações, destinando uma área que hoje equivale a 96.649Km2 – maior do que o Estado de Santa Catarina
(95.443Km2) e pouco menor do que Pernambuco (98.938Km2), onde cabem folgadamente os seguintes países da Europa: Dinamarca (43.092Km2) + Holanda (33.936Km2) + Eslovênia (20.251Km2) + Andorra (467Km2) + Liechtenstein (160Km2) + Malta (316Km2) + Mônaco (1,81Km2) e ainda sobram 714,19Km2 – no chifre ou orelha esquerda do Estado de Roraima, fronteira com a Venezuela, à essa tribo fantasma denominada Ianomâmi, constituída de menos de 5.000 índios.e o Collor e Sarney omisso.
Através de estudos,há chamada de atenção para a gravidade da situação visando alertar que o Brasil se encontra em imenso perigo de perder parte do seu território. Alerta ainda o documento, sobre a urgência da tomada de consciência e mobilização da sociedade brasileira, uma vez que a mesma é sempre mantida desinformada e quando recebe alguma informação é deturpada.
estou postando/Protógenes Contra a
Corrupção.

Anônimo disse...

Uma corrente de e-mail com informações equivocadas sobre a Amazônia circula há anos pela internet, confundindo internautas que repassam a mensagem e gerando problemas para dois acadêmicos de São Paulo, que aparecem como autores do texto em sua versão mais disseminada. A mensagem diz ser baseada no "relato de uma pessoa conhecida e séria", que esteve "recentemente" em Roraima.



Em linhas gerais, o relato da mensagem dá a entender que áreas de Roraima são controladas por estrangeiros, citando, entre outras coisas, reservas que teriam bandeiras americanas e inglesas hasteadas. O narrador chega à conclusão de que "os americanos vão acabar tomando a Amazônia". "Saio daqui com a quase certeza de que o Brasil irá diminuir de tamanho", diz outro trecho.

Anônimo disse...

Alguem está tirando o dele da reta nesses comentários e realmente não importa quem. A verdade é que grande parte, tipo 80%, ou mais das narrativas são connhecidas pelos brasileiros desde as decadas de 70/80 quando começou a grande devastação da Amazonia, Serra Pelada, Carajas e outras tantas invasões, sejam por americanos, ingleses, franceses, alemães e outras origens diversas. Os holandes não, pq. já invadiram o Brasil Colonia e se deram mal.
Mas até hoje, os portugueses vêm aqui buscar seu "quinto" do ouro, outrora devido a Portugal, mesmo na calada da noite e no escuro das selvas fechadas.
Parabens pelo texto, seja de quem for, é preciso abrir os nossos olhos, antes que nos arrombem as "portas dos fundos" de todos os brasileiros e tenhamos de mudar realmente o nosso mapa e nossa lingua.

Anônimo disse...

O importante é saber que coisas assim estão acontecendo em nosso pais e o brasileiro lamentavelmente está aceitando.

Anônimo disse...

Fico entristecido pelo fato dos Americanos não ficar com o resto do Brasil também, seria ótimo testar uma gestão nova por aqui...

TOM disse...

vc só pode estar brincando, mas a idéia é brilhante.rsrsrsrs, sem duvidas o melhor comentário.

Anônimo disse...

É gente....Pena que eu repasei, antes de procurar no Google. Me arrependi. Porém, como disse o Prof celso, a vontade de alertar e salvar o Brasil é tamanha que a gente fica indignado com tais absurdos e tenta alertar o máximo de pessoas possíveis. Desculpe!às vezes as pessoas não fazem por mal.

Daniel disse...

Será possível que ninguém que more em Roraima possa confirmar ou desmentir isso?
Interessante observar que quando se trata de "soberania nacional", unem-se militaristas de direita e socialistas.
A propósito professor Vanderlei, essas frases socialistas que constam no seu blog já estão meio carcomidas. O socialismo utópico é...utópico.
Já que você trabalha com história, vai mais fundo, e observe que o socialismo fracassou e/ou produziu aberrações em todos os países que foi implantado. Não funciona! Simples assim. Pesquise despido de qualquer ideologia socialista e perceberá o que estou te falando. Aconteceu comigo. Não existe meritocracia no socialismo, não existe inovação, apenas os que mandam e os puxa-sacos. O resto é carne no moedor. Saudações a todos.

Anônimo disse...

Quanta asneira nestes comentários. Documento falso é falso, nem meio falso nem 1/3. Se a historia da invasão fosse verdadeira, bastaria a pessoa que postou a mensagem assumir. Isso daria legitimidade à mensagem. Não foi o que aconteceu. Isso tira qualquer confiança no conteúdo. Afinal, por que mentir? Outro porém: se a parte que se pode comprovar é falsa, como podemos confiar na que não se pode comprovar? Sugiro a leitura do site da pesquisadora Maria Rachel Coelho, que trabalha na tribo Waimiri-Atroari e que confirma que tudo é mentira. Quem quiser continuar acreditando, que o faça. Faço minas as palavras de Aristófanes.

Ilha das flores