Reflexões

"Instruí-vos, porque precisamos da vossa inteligência. Agitai-vos, porque precisamos do vosso entusiasmo.

Organizai-vos, porque carecemos de toda a vossa força".
(Palavra de ordem da revista L'Ordine Nuovo, que teve Gramsci entre seus fundadores)

______________________________________________________________

maio 30, 2008

Pela manutenção da Frente de Esquerda!: Manifesto à II Conferência Eleitoral do PSOL-PR

Há cerca de dois anos, a esquerda socialista brasileira comemorou a criação da Frente de Esquerda entre PSOL, PCB e PSTU como uma grande vitória da unidade entre a esquerda socialista e combativa no Brasil. A candidatura majoritária desta frente, Heloísa Helena, simbolizava a resistência ao projeto neoliberal do governo Lula.

Na época, a justificativa desta aliança era a seguinte: O importante para o Brasil hoje é a nitidez. O problema todo do Brasil é a confusão que fica na cabeça das pessoas, que não sabem se o Lula é ou não de esquerda. Se nós nos aliarmos ao PDT e demais partidos burgueses como os anteriormente mencionados, vamos estar contribuindo para aumentar essa confusão. Temos que dizer claramente aos eleitores que, ao votarem no PSOL, estarão optando por uma proposta de esquerda”. Esta declaração, feita ao jornal Folha de S. Paulo em 26/03/2006, por Plínio de Arruda Sampaio, foi um símbolo desta escolha.

O PSOL-PR tem, então, duas opções para a eleição de 2008: manter a frente de esquerda ou sair se aliando com partidos nanicos ou partidos da base do governo Lula. Está reeditada a encruzilhada de 2006.

Na nossa visão, a frente de esquerda deve permanecer. A opção por fortalecer os setores da oposição de esquerda ao governo Lula foi e está mais acertada do que nunca. No estado do PR não foi consumada nenhuma exceção admissível a esta configuração.

Para a etapa que nos encontramos na construção do nosso partido, em nada nos serve alianças com partidos que não estão ao lado dos trabalhadores ou pequeninos partidos de aluguel.

O que eles trazem ao PSOL, senão apenas a tentativa de sugar o “capital político” que o PSOL tem junto a diversas camadas do eleitorado, como um partido novo, diferente, ético, de pessoas lutadoras? Tais alianças só servem para confundir o eleitorado e para o crescimento dos outros partidos e não do PSOL.

D
esta forma, esta conferência decide por:

1 - Nossas candidaturas devem, a partir das disputas locais, desmistificar as contradições entre os blocos hegemônicos na política nacional, opondo-se tanto aos setores conservadores DEM-PSDB, como aos setores governistas PT-PMDB e partidos aliados e mensaleiros, produzindo uma fórmula de oposição de esquerda ao PT e ao governo Lula.

2 - Aprovar a coligação da Frente de Esquerda, entre PSOL, PCB e PSTU, como a única possível no estado do Paraná, nos primeiros e segundo turnos. Ressalvadas exceções nos seguintes termos:

a) Demonstração pública, amplamente divulgada, documentada e comprovada do grupo político aliado estar em contradição com o governo federal, estadual e a velha direita, inclusive com as forças majoritárias e nacionais dos partidos de que fazem parte, assumindo o compromisso de construir a oposição de esquerda ao governo Lula.

b) Condicionar a aliança à decisão do Diretório Estadual, que verificará a adequação da condição exposta no item anterior.

c) Conforme a proibição da Conferência Nacional, não serão admitidas alianças com PSDB, DEM, PMDB, PT e os partidos mensaleiros.

d) A proibição de uma coligação em primeiro turno, também proíbe qualquer manifestação de apoio em segundo turno.

e) As manifestações de apoio em segundo turno devem se submeter à resolução das coligações, não sendo admitidas quando não se adequarem aos termos desta resolução.

f) Até o momento, na nossa visão, no Paraná, não foi registrada nenhuma exceção que se enquadre nos critérios acima apresentados.

4 comentários:

Gersão disse...

VOCÊ COMETE UM ERRO MUITO GRANDE O PSOL TEM QUE COLIGAR COM PARTIDOS QUE ESTÃO ADMINISTRANDO BEM AS CIDADES, EM MARINGÁ POR EXEMPLO SILVIO BARROS II FAZ A MELHOR ADMINISTRAÇÃO DA HISTÓRIA DA CIDADE, ENTÃO EU PERGUNTO: PORQUE NÃO COLIGAR COM O PP DO SILVIO? SERIA ÓTIMO PARA A CIDADE, VEJA QUE O PCB JÁ SACOU QUE O QUE VALE É O BEM DA POPULAÇÃO E VAI COLIGAR COM O PP.

Anônimo disse...

Acredito que o Gersão está certo, hoje não existe este newgocio de esquerda/direita, o que vale é administrar bem a cidade e neste quesito o Silvio Barros II está fazendo um governo marcante e progressista.

wilson rezende disse...

Professor Vanderlei Amboni tenho acompanhado a sua posição aqui neste blog sobre a manutenção da Frente de Esquerda, concordo plenamnete, Tem coligação de todo o tipo: PT com PV e PCdoB, PT e PSDB, PMDB e PT, PV e PSDB e por aí vai. Fica claro que não há nenhum escrúpulo para transformar o inimigo de um local no maior aliado na cidade vizinha. Mas as mais absurdas alianças deste ano são as dos partidos que, em princípio, são de esquerda e contra o governo Lula, em Maringá vi e vejo com muita tristeza o PSTU participando de eventos e manifestações e até se coligando com PMN, PMDB, PCdoB, PT... o caminho não é este pois para mim o patrão é sempre patrão. O burguês é sempre burguês e o oportunista é sempre oportunista, tenha um ótimo sábado a noite, abraços.

Vanderlei disse...

Gersão,
O PCB em Maringá não terá coligação com a direita. Ele sofrerá intervenção. O Partidão já firmou compromisso com a frente de esquerda. Ele vem com o PSOL.

Ilha das flores