Reflexões

"Instruí-vos, porque precisamos da vossa inteligência. Agitai-vos, porque precisamos do vosso entusiasmo.

Organizai-vos, porque carecemos de toda a vossa força".
(Palavra de ordem da revista L'Ordine Nuovo, que teve Gramsci entre seus fundadores)

______________________________________________________________

novembro 01, 2008

A questão do crédito e dos juros

O crédito emana da subdivisão do capital em capital de produção ou capital-mercadoria, por um lado, e capital monetário ou capital-que-rende-juros, por outro. A duplicação da mercadoria em "mercadoria vulgar" (gemeiner Warenpöpel) e dinheiro como "mercadoria régia" repete-se no nível do capital. Na economia burguesa, não existe conexão sistemática entre teoria monetária e teoria do crédito. A noção do dinheiro como "véu" e mero signo encontra-se em contradição com a noção do capital monetário a gerar lucros, como uma espécie de produção sui generis de mercadoria. Grosso modo, fazem de conta que a "indústria financeira" seria uma produção de mercadorias tão real quanto, por exemplo, a indústria automotiva. O juro parece uma forma independente de valor agregado. Marx, em contrapartida, mostra o caráter ilusório dessa noção. Ele comprova que o crédito, ou capital que gera lucros, é apenas uma forma derivada, sem formação própria de valor. O juro é o preço da função capitalista do crédito, preço este que precisa ser subtraído do valor social agregado da real produção de mercadorias. Na estatística burguesa, em contrapartida, os "produtos" do capital monetário são somados ao produto social, com o que se distorce o quadro real de valores.

(Robert Kurz)

Nenhum comentário:

Ilha das flores