Reflexões

"Instruí-vos, porque precisamos da vossa inteligência. Agitai-vos, porque precisamos do vosso entusiasmo.

Organizai-vos, porque carecemos de toda a vossa força".
(Palavra de ordem da revista L'Ordine Nuovo, que teve Gramsci entre seus fundadores)

______________________________________________________________

janeiro 07, 2009

Mortes aumentam e Israel diz que ataque progride “segundo os planos"‏

por Michelle Amaral da Silva última modificação 07/01/2009 13:12

No total, esta ofensiva militar já matou mais de 555 palestinos e feriu mais de 2,7 mil até esta terça-feira (6)

No total, esta ofensiva militar já matou mais de 555 palestinos e feriu mais de 2,7 mil até esta terça-feira (6)

07/01/2008 -Vinicius Mansur, de São Paulo (Radioagência NP)


O Exército de Israel informou que matou 130 militantes do partido palestino Hamas desde o início da invasão terrestre à Faixa de Gaza. No total, esta ofensiva militar já matou mais de 555 palestinos e feriu mais de 2,7 mil até esta terça-feira (6). Mesmo com o alto número de civis mortos, o general chefe do Estado-Maior de Israel, Gaby Ashkenazi, afirmou que os "soldados atuam perfeitamente e progridem segundo os planos".

Na madrugada desta terça-feira, um dos alvos atingidos pelo ataque aéreo foi a escola Asma. Três pessoas foram mortas. A instituição localizada em Gaza pertence à Organização das Nações Unidas (ONU) e abriga refugiados palestinos. Estavam na escola 450 pessoas, que se protegiam dos bombardeios em outros bairros da cidade.

Segundo o porta voz da ONU, Adnan Abu Hasna, Israel sabia o que estava bombardeando porque todas as instalações da entidade são conhecidas pelo exército israelense, justamente para prevenir ataques.

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha informou que os feridos estão morrendo à espera das ambulâncias que não podem se aproximar por causa dos combates. A ONU pediu a abertura das fronteiras para permitir a fuga dos palestinos que desejarem sair.

A entrada de jornalistas na Faixa de Gaza segue proibida por Israel.

Nenhum comentário:

Ilha das flores