Reflexões

"Instruí-vos, porque precisamos da vossa inteligência. Agitai-vos, porque precisamos do vosso entusiasmo.

Organizai-vos, porque carecemos de toda a vossa força".
(Palavra de ordem da revista L'Ordine Nuovo, que teve Gramsci entre seus fundadores)

______________________________________________________________

setembro 20, 2007

A resposta do Professor Mario Schmidt

19 DE SETEMBRO DE 2007 - 15h11
O livro didático que a Globo quer proibir
O professor de História Mario Schmidt responde à altura, diante da campanha de difamação contra o seu livro didático capitaneada pelo diretor executivo do jornalismo da Rede Globo, Ali Kamel. ''Em primeiro lugar exigimos respeito. Nós jamais acusaríamos o sr. Kamel de ser racista apenas porque tentou argumentar racionalmente contra o sistema de cotas nas universidades brasileiras''. Veja a resposta na íntegra.
O livro de história que Kamel difamou
A respeito do artigo do jornalista Ali Kamel no jornal O Globo de 18 de setembro de 2007 sobre o volume de 8ª série da obra Nova História Crítica, de Mario Schmidt, o autor e a Editora Nova Geração comentam: Nova História Crítica da Editora Nova Geração não é o único nem o primeiro livro didático brasileiro que questiona a permanência de estruturas injustas e que enfoca os conflitos sociais em nossa história. Entretanto, é com orgulho que constatamos que nenhuma outra obra havia provocado reação tão direta e tão agressiva de uma das maiores empresas privadas de comunicação do país.
Compreendemos que o sr. Ali Kamel, que ocupa cargo executivo de destaque nas Organizações Globo, possa ter restrições às posturas críticas de nossa obra. Compreendemos até que ele possa querer os livros didáticos que façam crer ''que socialismo é mau e a solução para tudo é o capitalismo''. Certamente, nossas visões políticas diferem das visões do sr. Ali Kamel e dos proprietários da empresa que o contratou. O que não aceitamos é que, em nome da defesa da liberdade individual, ele aparentemente sugira a abolição dessas liberdades.
Não publicamos livros para fazer crer nisso ou naquilo, mas para despertar nos estudantes a capacidade crítica de ver além das aparências e de levar em conta múltiplos aspectos da realidade. Nosso grande ideal não é o de Stálin ou de Mao Tsetung, mas o de Kant: que os indivíduos possam pensar por conta própria, sem serem guiados por outros.
Assim, em primeiro lugar exigimos respeito. Nós jamais acusaríamos o sr. Kamel de ser racista apenas porque tentou argumentar racionalmente contra o sistema de cotas nas universidades brasileiras. E por isso mesmo estranhamos que ele, no seu inegável direito de questionar obras didáticas que não façam elogios irrestritos à isenção do Jornal Nacional, tenha precisado editar passagens de modo a apresentar Nova História Crítica como ridículo manual de catecismo marxista. Selecionar trechos e isolá-los do contexto talvez fosse técnica de manipulação ultrapassada, restrita aos tempos das edições dos debates presidenciais na tevê. Mas o artigo do sr. Ali Kamel parece reavivar esse procedimento.

Ele escolheu os trechos que revelariam as supostas inclinações stalinistas ou maoístas do autor de Nova História Crítica. Por exemplo, omitiu partes como estas: ''A URSS era uma ditadura. O Partido Comunista tomava todas as decisões importantes. As eleições eram apenas uma encenação (...). Quem criticasse o governo ia para a prisão. (...) Em vez da eficácia econômica havia mesmo era uma administração confusa e lenta. (...) Milhares e milhares de indivíduos foram enviados a campos de trabalho forçado na Sibéria, os terríveis Gulags. Muita gente foi torturada até a morte pelos guardas stalinistas...'' (pp. 63-65).
Ali Kamel perguntou por onde seria possível as crianças saberem das insanidades da Revolução Chinesa. Ora, bastaria ter encotrado trechos como estes: ''O Grande Salto para a Frente tinha fracassado. O resultado foi uma terrível epidemia de fome que dizimou milhares de pessoas. (...) Mao (...) agiu de forma parecida com Stálin, perseguindo os opositores e utilizando recursos de propaganda para criar a imagem oficial de que era infalível.'' (p. 191) ''Ouvir uma fita com rock ocidental podia levar alguém a freqüentar um campo de reeducação política. (...) Nas universidades, as vagas eram reservadas para os que demonstravam maior desempenho nas lutas políticas. (...) Antigos dirigentes eram arrancados do poder e humilhados por multidões de adolescentes que consideravam o fato de a pessoa ter 60 ou 70 anos ser suficiente para ela não ter nada a acrescentar ao país...'' (p. 247) Os livros didáticos adquiridos pelo MEC são escolhidos apenas pelos professores das escolas públicas. Não há interferência alguma de funcionários do Ministério.
O sr. Ali Kamel tem o direito de não gostar de certos livros didáticos. Mas por que ele julga que sua capacidade de escolha deveria prevalecer sobre a de dezenas de milhares de professores? Seria ele mais capacitado para reconhecer obras didáticas de valor? E, se os milhares de professores que fazem a escolha, escolhem errado (conforme os critérios do sr. Ali Kamel), o que o MEC deveria fazer com esses professores? Demiti-los? Obrigá-los a adotar os livros preferidos pelas Organizações Globo? Internar os professores da rede pública em Gulags, campos de reeducação ideológica forçada para professores com simpatia pela esquerda política? Ou agir como em 1964?

52 comentários:

Tulio disse...

Isso não é uma resposta, é uma palhaçada diversionista.

rosin disse...

Não se deve esperar outra coisa da Rede Globo e de seus merce~´arios além de manipulaçõ(nós que estudamos História sabemos muito bem disso),o que me envergonha é a decisão estúpida do MEC de se prostrar perante o domínio global...
Agora que proibiram o livro do sr. Schmidt é este mesmo livro que eu darei de presente aos meus dois irmãozinhos para eles não crescerem estúpidos como os fantoches da Globo!!!

Adriano disse...

Voltamos a Idade Média e a Globo é a Igreja Católica punindo os que ousam pensar diferente das suas idéias!!!
Viva a Inquisição!!!

Adriano disse...

Sr. Schmidt,meus sinceros aplausos pelo seu trabalho de concientização de nossas crianças e que elas não cresçam assistindo á Globo!!!

Adriano disse...

Será Mario Schmidt Galileu Galilei?

Smoke disse...

Isso não é uma resposta, é uma demonstração que o mundo ainda nao encontrou o fundo do poço.

Devemos nos postar como Schmidt, nao que eu seja marxista, mas devemos nos postar contra esse neorepressores, que como na inquisiçao queremdominar pela mente.
Só falta agora colocar atores bonitinhos falando que o livro do Sr.Schmidt é "contra o povo e mau."

Iozaino disse...

Afirmar que a obra de MÁRIO SCHIMIDT é perfeita, claro que não podemos fazer isto, já que nenhuma obra humana é perfeita. No entanto,foi a melhor obra de história do ensino fundamental criada até o momento. Falhas existem, mas que com críticas responsáveis poderiam ser sanadas. Aliás, para que servem as críticas que nada acrescentam? Portanto, o professor, que não é Deus, também tem direito a errar e se defender. Se nossa classe for desunida como sempre foi, sempre vai ser pisada, diminuida por quem não quer saber de nenhuma mudança que possa prejudicar seus interesses. Isso é velho na história.

wendel disse...

Schmidt é simplismente o cara!!!
Depois de estar com a igraja e com a ciência,hoje a "verdade" está com os meios de comunicação,proveniente de uma sociedade que abdicou de ser súdita da razão...

Larissa disse...

Usei o livro da 5ª à 8ª série achei ótimo os livros (apesar de no livro da 5ª série não ter a historia de povos da América),achei horrível a reportagem de Kamel realmente estamos vivendo uma ¨segunda¨ idade média, onde a igreja ¨globo¨ impõe seus ¨valores¨ e o povo recatado aceita à tudo

Paulo disse...

Não preciso responder às críticas da Rede Globo feita ao melhor livro que já li e que me ajudou a entrar na Universidade, pois ela demonstrou através de suas palavras, que tem medo que o livro do Mario Schmidt conscientize nosso povo e revolucione nosso país!!! Estamos juntos estudando a História para organizar nosso presente e proporcionar um novo futuro. Valeu!!!!!!

SanatoriuM disse...

O Livro Nova História Crítica do Mario Schmidt é o melhor livro didático de História no mercado. Ele ensina o processo histórico como todo, e não datas, fatos e fichas presidenciais e história jornalística...
Palavras d um professor d história, q aprendeu a gostar d história a partir desse livro.
Em compensação meus alunos q utilizam o Telecurso 2000 da Fundação Roberto Marinho... são quase q analfabetos, não cumprem nem os pré-requisitos da nova LDB, naum saum cidadãos plenos e apenas um trampolim para corruptos industriais-politicos ganharem em cima deles.

Anônimo disse...

Eu estudei desde a 5ª série com os livros do autor e discordo totalmente sobre a acusação. O livro é excelente. Descobri que a Globo acusou pois o mesmo dono da editora que publica o livro do sr. Mário Schmitt é o dono da editora Três que publica a revista Istoé, que é concorrente da Revista Época, da editora Globo.

Michael disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Michael disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Michael disse...

Sou estudande do ensino medio! aqui em Recife e afrimo pelos meus estudos sobre a historia:
" Nao ha obra tao boa e tao facil de ser etendida ,como a do Professor Mario Schmidt"
passei todo o meu ensino fundamental estudando com suas obras
outra coisa absurda é o MEC proibir os livros de serem publicados!
afinal se um dos motivos da critica é: "... ningem sabe aonde Schimidt se formou..."
Bem: "acho isso uma grande tolice pois ha autores que mesmo com diploma nao fazem obras boas..."
serie um Historiador no futuro e devo tudo isso ao Professor Mario Schimidt que me ensinou a refletir criticamente

Reginaldo disse...

Estava procurando a biografia de Mario Schmidt quando deparei com essa noticia absurda de Ali Kamel contra o livro de Schmidt. A poderosa como diz o Clodovil não tem direitos sobre criticas a sua entidade, pois a mesma usa o seu jornalismo com inverdades contras pessoas que fazem o bem para o índio brasileiro afim de difamá-los. O MEC está puxando o saco da Rede Globo.

Carla Ferreira disse...

Será que só agora as pessoas (ainda sim, algumas, o que ainda é absurdo) percebem que a sociedade regente,, a sociedade da mídia, da tv, do rádio, da moda, da arte, da música, dos programas, dos programas infantis, de tudo praticamente, é tão falsa e capitalista quanto imaginam a maioria. O objetivo maior de todos é o lucro. Não importa ensinar, alfabetizar, faze-los gostar de musica, de literatura, apreciar obras de arte,, nada disso para eles importa.. o que importa é o lucro em cima de tudo. Por detrás de tudo há uma ganancia pelo lucro. Mário Schmidt, meus parabéns. Um homem como voce, corajoso, merece palmas e merece ser lembrado eternamente. POR QUE O POVO NÃO ENXERGA QUE É MANIPULADO PELA INDÚSTRIA CULTURAL! E QUANDO PESSOAS INTELIGENTES E QUE VÊEM ALÉM DOS OUTROS E DESSE MUNDO MERAMENTE APARENTE E ENCANTADOR, QUE SEDUZ AS PESSOAS, SÃO TAXADAS DE LOUCAS, DE TENDENCIONISTAS PARA UMA CERTA DOUTRINA! ORA, ELES NÃO QUEREM É QUE DESVENDAMOS OS OLHOS DAS PESSOAS, DO POVO. Parabéns, Mário, e por favor, nao deixe que uma FÁBRICA DE FAZER DINHEIRO, COMO A GLOBO OU QUALQUER UM DE LÁ, CORROMPA SEUS PENSAMENTOS E SUAS AÇÕES DE MELHORAR O MUNDO. PARABÉNS MESMO.

matheus disse...

acabei de ler o livro.. e de fato acho que ele tende ao esquerdismo de forma equivocada.
Deveria mostrar uma visão bilateral, não algo como a ilustração do capítulo sobre "doutrinas sociais do século XIX" onde se vê uma ilustração representando todos trabalhando infelizes no capitalismo e um mundo onde todos 'trabalham' enquanto fazem lanches e sao felizes, numa fábrica altamente mecanizada representando o capitalismo.

Esse livro polariza.

Cláudia Abreu disse...

Sou professora de História e continuo revoltada com o que ocorreu com a coleção Nova História Crítica. A obra citada era ótima para nossos alunos pois continham informações na dose correta, gráficos, tabelas e figuras que estimulavam e, ao mesmo tempo, esclareciam dados importantes para que entendam o processo histórico. Gostaria de voltar a usar a coleção, mas ainda vivemos em meio a filhos da didatura, como o sr. Kamel. Meus alunos perderam muito com a censura á este trabalho.

Caren disse...

Sou muito fã desse autor, porque ele nos faz ver a história não como algo fora de nosso contexto, mas pelo contrário, abre nossos olhos para ver que a história acontece a todo momento, faz-nos perceber que é olhando o erros do passado que se pode construir um futuro melhor.
Que somos donos de nosso destino, e que a desigualdade não é nada justo.
Já era de se esperar que a Globo se colocasse contra os livros História Crítica, afinal a verdade a Globo quer ocultar, tanto que pesquisando notícias sobre o livro História Crítiva no google, veio logo o link referente a Globo, que anunciava o uso do livro nas escolas como sendo algo errado, sem detalhar o porquê que esse livro é tão apreciado por professores e alunos. Um trecho que está presente no livro cai como uma luva nesse contexto, de que devemos filtras as informações, e assim como Kant devemos pensar, refletir, criticar por si próprio.

Anônimo disse...

Sou estudante e professora de História e trabalhei na produção de um trabalho sobre a Origem do Livro didático. O livro de Schmidt resume os assuntos ao máximo possível e o livro tem mais imagens do que assuntos; não criando no aluno uma visão crítica sobre o mundo e as sociedades. Acho que o autor quis fazer apenas um jogo de imagens ilustrativas, se preocupu com imagens e não com o assunto ao qual se propos abordar.

Anônimo disse...

Sou estudante e professora de História e trabalhei na produção de um trabalho sobre a Origem do Livro didático. O livro de Schmidt resume os assuntos ao máximo possível e o livro tem mais imagens do que assuntos; não criando no aluno uma visão crítica sobre o mundo e as sociedades. Acho que o autor quis fazer apenas um jogo de imagens ilustrativas, se preocupu com imagens e não com o assunto ao qual se propos abordar.

Quel~* disse...

Achei um absurdo o que o MEC fez. Utilizei os livros do Sr. Schmidt durante o ensino fundamental até estes serem proibidos, e confesso que não haveria me interessado por história se não fosse pelos mesmos. Gostaria de saber, então, o que pode ser feito por nós para reverter essa situação injusta, e por os livros de Schmidt novamente nas escolas. Agradeço desde já.

Kbça disse...

"Nova História Crítica" Ensino Médio, pg.766 "Domínio Global?"
Isto é uma vergonha, pois há rede "bobo" sempre apoiou a Ditadura e suas picaretagens, Mario Schmidt é um grande historiador e só nos acrescenta mais com suas publicações. Parabéns Mario e continue a ser esse grande homem, que ajudou muito no meu aprendizado.

Anônimo disse...

Schimidt reclama que a nossa sociedade aliena as pessoas, mas é exatamente isso que ele faz com os estudantes que leem seus livros. Mostra apenas seu ponto de vista, distorcido aliás, sobre os fatos históricos. Schimidt é frio e maniqueista em sua visão. Um autor que cria história ao invés de relatá-la.

Talianderson disse...

O artigo do Sr. Ali Kamel só externa a sua visão anticomunista. Realmente não é uma surpresa ver essa postura conservadora de alguém que está apenas defendendo o futuro das Organizações Globo (de uma revolução comunista travada pelas nossas crianças, futuro da Nação, que segundo ele, estariam passando por uma "lavagem cerebral" ), que apoiou o período ditatorial. Provavelmente, todos os comentários contrários à obra de Schmidt partiram de outros capitalistas preocupados com o futuro dos seus bens.

... disse...

PARABENS, é muito bom saber que existe pessoas que nao se curvam aos comandos imperiais (globo)

viva a liberdade, viva ao senso critico, mario estah de parabens, despertando nas nossas criancas o senso critico, a inteligencia e sobretudo o coraçao.

os meus filhos leram "A nova historia critica"

Paulo de Matos (RJ) disse...

Descobri o livro "Nova História Crítica - 7ª Série -, do professor Mário Schmidti, em 2004 ou 2005.

Era o livro do meu enteado. Achei que por ser muito gostoso de ler, a garotada deveria gostar também.

O meu enteado gostava do livro.

Os livros de História do meu tempo de colégio, em plena ditadura militar, eram muito chatos.

Infelizmente, no Brasil, só se aceita o discurso oficial dominante.

Uma pena. O livro é muito interessante.

Paulo de Matos (RJ) disse...

OBS: na minha opinião, esta música que está tocando neste Blog é muito chata - como os livros de História da minha época de colégio.

ricardoszm disse...

eu considero excelentes os livros dele. Bom, a música deste blog é insípida e estranha, mas mesmo assim, é inigualável o livro do Professor Mario Schmidt

nina disse...

Fico feliz de ver que um livro que foi tão importante na minha formação ideologica tenha causado tanto alvoroço. A Globo é mais um grande icone da mídia que quer passar a ideia que o capitalismo é bom(háháhá) e que socialismo e errado e malvado. O livro só tenta passar a ideia de que vc não pode se deixar levar pela opinião dos outros e que deve ter sua propia opinião sobre tudo que nos rodeia, não se deve julgar antes de se ter conhecido e convivido com historia, o ser humano por sua natureza é um ser julgador e injusto na sua maioria, mas temos que aprender que nem tudo que esta escrito, e que passa na tv é verdade. É mais fácil controlar um ser ignorante do que um que tenha conhecimento de que todos somos iguais.

Agradeço a meu mestre prof. Erico a ter me apresentado ao livro " A NOVA HISTORIA CRITICA"

Marina Py, POA - 18 ANOS

nina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Diego Paulo disse...

HAHAHAHA
Eu tava lendo compenetrado e sério, pensando nos dois lados, mas depois dessa:
"Selecionar trechos e isolá-los do contexto talvez fosse técnica de manipulação ultrapassada, restrita aos tempos das edições dos debates presidenciais na tevê. Mas o artigo do sr. Ali Kamel parece reavivar esse procedimento."

NOCAUTE de primeira!

Quem leu o livro sabe muito bem que ele é instigante e auxília no discernimento crítico, sim... E com a proposta do ENEM, ele é uma boa.
A única coisa negativa (e que não deixa de ser positiva) é que a linguagem é bem simples e e coloquial, mas como o livro é destinado ao ens. fundamental, é perfeito!

mayara disse...

Eu sempre odiei historia até conhecer o livro desse cara a globo eo mec tão de tiração acho q o mec devia é tomar conta é do enem que ta um lixo de vez de abolir o melhor livro de historia ja feito no brasil....

Mary disse...

Sou advogada, mestre em Desenvolvimento Local e mãe. E foi como mãe que conheci o livro, pois tenho o antigo hábito (condenado por muitos educadores) de "tomar o ponto" dos meus filhos. Esse livro ainda é adotado pela escola do meu filho, no ensino fundamental, escola particular, classificada em 5º lugar Nacional no ranking do ENEM de 2009. Posso dizer com certeza que: de todos os livros de História adotados, esse, sem dúvida, foi um dos melhores que conheci, pois me parece apresentar fatos históricos jamais contemplados em outras obras, fatos esses importantíssimos para a formação de futuros cidadãos, que lutarão para modificar uma sociedade repleta de conceitos antigos e superados. Parabéns ao professor Mário pela sua obra.

Felipe Amorim disse...

Não tenho a propriedade dos historiadores acima, mas não posso deixar de comentar essa postagem!

Acabo de ler novamente um livro dele e resolvi olhar no google. Não me surpreendi nem um pouco com o episódio ocorrido, principalmente vindo da Globo.

Como estudante, como cidadão, posso dizer que Mario Schimidt é um exemplo.
Meus sinceros agradecimentos à contribuição de seus livros na construção de minha visão critica e no meu incomum interesse e mobilização politico-social.

Quanto a referida crítica (de um estabelecimento com um passado marcado por manipulações e apoio a regimes ditatoriais no Brasil) não tenho muito a dizer a não ser que se mostra infundado.

Li mais de três vez dois dos livros de Schimidt, e apesar dos pontos de vista apresentados (nada comparados ao etnocentrismo eurocêntrico do livros tradicionais) ele se mostrou imparcial.
Sinceramente, lê-lo me lava a alma.

Os absurdos são chamados de absurdos!
A escravidão, a colonização, os processos de aculturação e dominação.
Um capítulo inteiro dedicado aos indígenas!
A valorização da cultura negra!

Além de todo seu mérito estético como escritor.

O melhor de todos em minha opinião, um exemplo. Espero que pioneiro de uma geração.

POESIA CONTEMPORÂNEA disse...

Este livro é horrível. Totalmente ideológico. Não deixa margem para as crianças terem um senso crítico antes as doutrinam como o comunismo fosse o regime que salvaria a humanidade.

Márcio disse...

Agir da mesma forma que agiram em 64!!! Sem dúvida!!!!

Esquerdistas porcos!

Anônimo disse...

Lamentável essa "reposta" que não passa de um copia e cola do vermelho.org.

Se o professor, ao invés de repetir o que a doutrinação ideológica esquerdista manda, resolvesse pensar por si próprio, suas palavras teriam alguma credibilidade

Anônimo disse...

Esse livro é ótimo!

O Melhor Livro de História que eu já estudei

o Ali Kamel , é que não teve oportunidade de estudar com ele

Graças a esse livro, eu começei a ver o mundo de outra forma, e achar novos modos de mudar o mundo

Por isso Virei Marxista!

Viva ao Comunismo

e Vima á mario Schimidt que com suas palavaras, conseguiu tirar a escama de meus olhos!

Anônimo disse...

Proletairos do mundo inteiro, uni-vos contra a tentatida do capitalismo neoliberal sanguinário em criticar o nosso manual mirim. A extrema direita cortará a cabeça de todos que chegarem perto do livro. Por isso, precisamos fazer isso antes.

Anônimo disse...

Oi, legal

Vanessa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
K3N5HUR1 disse...

Tive a oportunidade de estudar com esse livro, e posso afirmar sem sombra de dúvidas que foi o mais envolvente de todos eles!

A diferença principal deste livro para os demais é que ele incentiva o aluno a pensar por si mesmo, e apresenta os fatos de maneira clara. Na própria introdução do livro o Mário cita algo assim: "Não aceite o conteúdo desse livro só porque é um livro didático, mas tente formar o seu próprio ponto de vista".

A linguagem do livro é simples, e ideal para que alunos de quinta à oitava série compreendam. É como se o autor falasse diretamente com você.

Como alguém citou acima, a Rede Globo faz o papel de Igreja Católica dos tempos da Inquisição.

É fácil compreender o porquê dessa oposição, pois esse livro é tão incrível que foi capaz de "abrir meus olhos" e desenvolver em mim o famoso raciocínio crítico, ou seja: não aceito nenhuma informação como verídica sem antes apurar os fatos e concluir por mim mesmo.

Quem aceita tudo o que a Rede Globo expõe, não passa de um boneco. Não seja um boneco, pense por si mesmo.

Aulas de História disse...

Estava pesquisando sobre o início da colonizaçao no Brasil,na visão de Mario schmidt,quando encontrei esse Blog.Quis tambem deixar um comentário,sou professora de História e gosto muito do jeito que o autor conta a História,com reflexões críticas, com textos,que ajudam a pensar históricamente. acho excelente trabalhar com os textos de mário Schmidt.Todos meus alunos conhecem o livro porque levo sempre para classe textos para serem trabalhados na visão de Mario Schmidt.Penso todos professores de História e alunos, deveriam conhecer os livros de Mário Schmidt.eu A-DO-RO.

Aulas de História disse...

Estava pesquisando sobre o início da colonizaçao no Brasil,na visão de Mario schmidt,quando encontrei esse Blog.Quis tambem deixar um comentário,sou professora de História e gosto muito do jeito que o autor conta a História,com reflexões críticas, com textos,que ajudam a pensar históricamente. acho excelente trabalhar com os textos de mário Schmidt.Todos meus alunos conhecem o livro porque levo sempre para classe textos para serem trabalhados na visão de Mario Schmidt.Penso todos professores de História e alunos, deveriam conhecer os livros de Mário Schmidt.eu A-DO-RO.

Acupuntura Tai Yang disse...

A única coisa que posso acrescentar: É O MELHOR LIVRO DE HISTÓRIA QUE JÁ LI para o 1º.

Anônimo disse...

acredito que tenha uma provável explicação à atitude do jornalista da Globo. No capítulo sobre ditadura militar há um momento que deixa nítido que a globo beneficiava os generais da ditadura militar de forma que só mostrava notícias favoráveis sobre o regime.Ademais, o há uma parte em que fala que no segundo turno entre Collor e Lula houve um debate entre estes, Lula havia ganhado o debate com suas propostas, o Jornal Nacional, entretanto, no dia posterior só mostrou as partes do debate favoráveis a Collor, haja vista que o debate foi muito tarde na noite de domingo e poucas pessoas viram, logo, a Globo na segunda-feira distorceu os fatos culminando com a vitória de Collor.
Essa é a grande explicação, ou pelo menos mais tangível ao ocorrido.
Fico muito triste por isso, vejo hoje os livros de História completamente inflexíveis e complexos ao aluno. Nova história crítica foi o único livro que fez com que muitos alunos aderissem ao aprendizado da História.

Sherazade disse...

sou professora da rede pública e continuo utilizando os livros desse autor. Soube também que ele responde a processo movido pela família imperial do Brasil. Ô raça!!! Li todos os comentários e digo que Mário F. Schomidth não expressa prefer~encias partidárias, mas ideológicas. embora não acredite mais no socialismo, acho que é melhor do que o liberalismo capitalista. Sou a favor dos movimentos sociais apartidários, ouseja, ANARQUISTA mesmo!!! Essa é a única salvação da humanidade.

Liliane Cunha disse...

Gosto muito da maneira como o MARIO SCHIMIDT escreve os livros didaticos.Lembro-me que comecei a gostar de historia lendo seus livros,hoje sou estudante da area de humanas na Universidade Federal da Bahia.

FÁTIMA disse...

VAMOS DIFUNDIR ESSA BRILHANTE OBRA AINDA EXISTE LIVROS DO AUTOR, NAO FORAM COMPLETAMENTE BANIDOS.APRENDI A GOSTAR DE HISTORIA ATRAVÉS DESTE EXCEPCIONL LIVRO,POIS OS QUE ATÉ ENTAO ESTUDEI NADA ME ACRESCENTARAM E SO SERVIRARAM PARA REPRODUZIR O MODELO CONFORMISTA E SEM SENSO CRITICO, QUE OS DOMINANTES DO PODER TANTO QUEREM. PESSOAS COMO MARIO SCHIMIDT, PROVOCAM, AMEAÇAM, INCOMODAM. PARABENS MARIO VOCÊ É INDESCRITIVEL!!! SOU SUA FÃ

Anônimo disse...

Melhor livro que já li,agora estou com 54 anos,se eu estive livro um livro de Mario no meu ensino fundamental,com certeza hoje entraria na politica e feito uma revolução...

Ilha das flores